COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Mercado de cerveja sente efeito Backer

COMPARTILHE

Crédito: Pixhere

Apesar de Minas Gerais contar com um amplo mercado de cervejarias, a contaminação na fábrica da Backer, que rendeu um saldo de nove mortes investigadas por contaminação por dietilenoglicol, impactou o mercado consumidor.

De acordo com o vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Cerveja e Bebidas em Geral do Estado de Minas Gerais (Sindbebidas/MG), Marco Falcone, embora os clientes antigos continuem a comprar cervejas artesanais, os novos entrantes, aquele público que estava começando a aprender sobre o setor, diminuiu. “Muitos acham que toda cervejaria é a Backer”, afirma. Além disso, o setor agora enfrenta outro desafio: a alta significativa do dólar impacta os custos dos fabricantes.

PUBLICIDADE

Não é possível prever ainda, em números, segundo Marco Falcone, de quanto deverá ser o impacto dessa redução de um novo público consumidor de cervejas artesanais, que crescia cerca de 20% ao ano. No entanto, mesmo tendo em vista essa nova realidade, o mercado não deve parar, ainda de acordo com o vice-presidente do Sindbebidas/MG, e novas marcas deverão surgir este ano no Estado.

De acordo com os dados do Anuário da Cerveja 2019, publicado na última quinta-feira (12) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Minas Gerais já tem 163 cervejarias, terceiro maior número no Brasil, atrás apenas de São Paulo (241) e Rio Grande do Sul (236).

“Minas Gerais é considerado o terceiro maior Estado em produção, mas, no que diz respeito ao mérito técnico, é o mais relevante do País. Temos cervejarias mais criativas, que fazem ótimos produtos. Minas é conhecida como a Bélgica brasileira” ressalta.

Talvez por isso, nem mesmo os diversos desafios devem parar a proliferação das cervejarias em Minas Gerais. Além da queda no número de consumidores, que, segundo Marco Falcone, deve se reverter após a elucidação de todo o caso Backer “que foi uma falha pontual”, diz ele, o segmento encontra também outros gargalos para sobreviver no Estado.

O vice-presidente do Sindbebidas/MG afirma que, além dos altos impostos, a alta do dólar também atinge em cheio o setor. Para se ter uma ideia, a moeda-norte-americana fechou a sexta-feira (13) com um aumento de 0,51%, chegando a R$ 4,8127. E, como boa parte da matéria-prima das cervejarias é importada, como o lúpulo, isso faz bastante diferença para os negócios. “Estamos tentando ao máximo evitar aumento de preços, mas chega uma hora que não é possível”, diz ele, que lembra, ainda, que existe mais um desafio no segmento: a concorrência desleal com as grandes cervejarias.

Mais números – Em todo o Brasil, o mercado de cervejarias cresceu 36% em 2019, atingindo um total de 1209 estabelecimentos. No ano passado, foram abertas 320 fábricas no País. Nos últimos 20 anos, a média de crescimento do segmento foi de 19,6% e, nos últimos cinco anos, de 36,4%. A cerveja é a bebida mais registrada no Brasil e conta com um total de 27.329 rótulos.

“O nosso setor é sério e é importante reforçar que o público confie no segmento. As cervejas artesanais são produzidas com cuidado, com um controle de qualidade até maior do que o de outras cervejarias. Além disso, somos severamente fiscalizados pelo Ministério da Agricultura”, afirma Marco Falcone. “Vamos conseguir retomar a confiança desse público novo”, salienta.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!