COTAÇÃO DE 19/04/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5500

VENDA: R$5,5510

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5400

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,7043

VENDA: R$6,7067

OURO NY

U$1.771,25

OURO BM&F (g)

R$317,44 (g)

BOVESPA

317,44

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

MG preserva 684 mil postos de trabalho com auxílio

COMPARTILHE

O auxílio emergencial, com redução de jornada e salários, visa amenizar o desemprego | Crédito: REUTERS/Roosevelt Cassio

O número de empregos preservados pelo Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), criado pelo governo federal para enfrentar os efeitos econômicos da pandemia do Covid-19, alcançou 684 mil postos de trabalho em Minas Gerais até 12 de maio, respondendo por 9,5% do total nacional, que já soma 7,2 milhões de empregos.

O benefício é pago para trabalhadores que tiveram os contratos de trabalho suspensos ou a jornada e salários reduzidos após acordo com as empresas.

PUBLICIDADE

A medida é considerada fundamental para a manutenção dos empregos, renda dos trabalhadores e para auxiliar as empresas que tiveram as atividades suspensas ou reduzidas devido ao isolamento imposto para o controle do avanço do novo coronavírus.

No País, Minas Gerais ocupa a terceira posição no percentual de empregos preservados, atrás de São Paulo, responsável por 33%, e Rio de Janeiro, com 10,1%.

De acordo com dados divulgados pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, o benefício é concedido a trabalhadores que tiveram a jornada e salários reduzidos ou contrato suspenso. O auxílio emergencial também é voltado para trabalhadores intermitentes com contrato de trabalho formalizado, nos termos da Medida Provisória 936/2020.

De acordo com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, a possibilidade de redução de jornada e salários ou a suspensão dos contratos de trabalho por tempo determinado tem sido importantes ferramentas para que os empresários reduzam os custos no atual momento, onde o faturamento da maior parte das indústrias está comprometido.

“Os empresários têm utilizado de forma massiva as alternativas de suspensão dos contratos de trabalho e da redução da carga horária e dos salários nas indústrias, que estão precisando reduzir os custos, uma vez que não estão trabalhando de forma plena e tiveram retração do faturamento. São medidas vitais para passar por este período de crise”.

Ainda conforme Roscoe, na indústria mineira, vários setores tiveram as atividades impactadas pelo isolamento social e as medidas vêm sendo adotadas nas indústrias de eletrônicos, setor automobilístico, linha branca, vestuário, calçados entre outros.

A analista do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae Minas), Ariane Vilhena, explica que com a paralisação das empresas houve comprometimento da entrada de recursos financeiros, enquanto a maior despesa, a folha de pagamento, continua como custo fixo.

“As empresas estão sem receita e a folha de pagamentos continua onerosa. Por isso, a possibilidade de suspender os contratos de trabalho, reduzir a carga horária e os salários ou alternar as duas medidas é importante para que a empresas tenham um fôlego até as atividades voltarem parcialmente e integralmente”.

Ainda segundo Ariane, a adesão dos empresários em Minas Gerais tem sido grande e muito utilizada para evitar a dispensa.

“Ao adotar as medidas, é possível a manutenção dos postos de trabalho, o que para o empregado também é positivo. Além disso, é uma alternativa interessante pelo acordo poder ser suspenso a qualquer momento e o trabalhador retornar a atividade quando necessário para a empresa”, disse.

Estabilidade – Outra vantagem das medidas é a garantia de estabilidade pelo mesmo tempo do acordo firmado entre o empregador e o trabalhador e a garantia de manutenção de renda, uma vez que o governo custeia parte dos salários, garantindo salário para os funcionários.

“Dessa forma, há uma garantia da capacidade de compra do emprego, que vai receber o salário e consumir, impulsionando a economia”, disse Ariane.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!