COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Produção nacional de aço bruto tem queda de 7% no primeiro trimestre

COMPARTILHE

As siderúrgicas mineiras responderam por 30,3% do volume produzido no Brasil | Crédito: Divulgação

A produção de aço bruto no Brasil caiu 7% no primeiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2019, passando de 8,624 milhões de toneladas para 8,018 milhões de toneladas. Os dados foram divulgados pelo Instituto Aço Brasil (Aço Brasil).

Minas Gerais respondeu por 30,3% dessa produção, de janeiro a março (2,428 milhões). Em meio à crise provocada pela pandemia de coronavírus, o setor espera recuo histórico a partir deste mês.

PUBLICIDADE

O recuo verificado na produção de laminados foi de 2,6% na comparação entre o primeiro trimestre de 2020 com igual período do ano passado, saindo de 5,813 milhões de toneladas para 5,661 milhões de toneladas.

A diminuição da produção dos semiacabados para vendas, por sua vez, foi de 9,5% na mesma base de comparação, passando de 2,272 milhões de toneladas para 2,057 milhões de toneladas. Minas Gerais respondeu por 29,1% da produção dos laminados e semiacabados para vendas (2,246 milhões de toneladas).

Apesar da diminuição nos números, o setor ainda não chegou ao seu pior momento, de acordo com projeções de profissionais da área. O presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), Carlos Loureiro, ressalta que houve queda em março por causa das medidas de isolamento social adotadas para combater o novo coronavírus (Covid-19). Contudo, diz ele, os maiores reflexos deverão vir em abril e maio. “O segundo trimestre deverá ser muito ruim”, avalia.

Os dados do Aço Brasil também mostram que as vendas para o mercado interno no primeiro trimestre deste ano chegaram a 4,543 milhões de toneladas, o que representa queda de 0,7% em relação a igual período de 2019 (4,576 milhões de toneladas).

Já o consumo aparente reduziu 0,6% na mesma base de comparação, de 5,096 milhões de toneladas para 5,064 milhões de toneladas. As exportações no primeiro trimestre (3,248 milhões de toneladas) caíram 1,3% em relação a igual período de 2019 (3,292 milhões de toneladas). O recuo nas importações, por sua vez, foi de 15,4% (passando de 613 mil toneladas para 519 mil toneladas).

Março – Quando se avalia apenas março, mês em que as medidas de isolamento social foram adotadas no País, a produção de aço bruto no Brasil apresentou queda de 8,2% na comparação com igual período de 2019, reduzindo de 2,869 milhões de toneladas para 2,635 milhões de toneladas.

A queda na produção de laminados, por sua vez, foi de 10,7%, passando de 2,051 milhões de toneladas para 1,832 milhões de toneladas. O recuo nos semiacabados para vendas foi de 10%, saindo de 832 mil toneladas para 749 mil toneladas.

As vendas para o mercado interno reduziram 10,7%, passando de 1,648 milhões de toneladas para 1,471 milhões de toneladas. A queda no consumo aparente foi de 11,1% na mesma base de comparação (de 1,815 milhões de toneladas para 1,614 milhões de toneladas).

Já as exportações subiram 71,4%, saindo de 811 mil toneladas para 1,391 milhões de toneladas. As importações caíram 39,1%, de 233 mil toneladas para 142 mil toneladas.
Segundo Carlos Loureiro, o cenário, hoje, é de “desastre”. “Significa que estamos andando para trás. É algo impossível de imaginar que aconteceria dessa forma há poucos meses”, avalia.

Queda histórica – Em nota, o presidente do Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, afirma que “A indústria do aço enfrenta no momento uma profunda e severa crise de demanda, com a expectativa de queda de 50% nas vendas internas de aço este mês. Caso essa expectativa se confirme, o setor – que hoje opera com apenas 41% da capacidade instalada – pode ter as vendas de abril nos menores níveis desde 1995, recorde histórico”.

De acordo com ele, a indústria de transformação está em uma situação semelhante, “fruto das necessárias medidas de isolamento social tomadas para enfrentamento da Covid-19. A manutenção, entretanto, dessa situação pode levar a paralisação de fabricas e ao consequente aumento do desemprego. Sem descuidar da saúde e segurança da população, entendemos ser necessário o retorno gradual das atividades da economia para evitar crise social. A manutenção dos empregos no País precisa ser prioridade de todos”.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!