COTAÇÃO DE 04/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,4310

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4170

VENDA: R$5,5930

EURO

COMPRA: R$6,5464

VENDA: R$6,5493

OURO NY

U$1.779,24

OURO BM&F (g)

R$311,42 (g)

BOVESPA

-1,26

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa

Secretaria de Desestatização conclui extinção da Casemg

COMPARTILHE

A Casemg manteve armazéns e silos em 126 municípios do Estado | Crédito: Arquivo DC

Daniel Vilela

O Ministério da Economia informou, ontem, a extinção da Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais (Casemg). O processo de liquidação durou dois meses e foi conduzido pela Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados. A dissolução e liquidação da empresa haviam sido autorizadas em outubro de 2018.

PUBLICIDADE

Entre 2017 e 2020, considerando as despesas administrativas e os custos de operação, a média anual de gastos da Casemg foi de R$ 19 milhões. No período de 2011 a 2016, a companhia teve uma despesa de R$ 16,8 milhões para os cofres da União. Em 2019, o custo com pessoal e encargos foi de R$ 8,8 milhões, cifra que corresponde a 44,2% do total de despesas da estatal. De janeiro a junho deste ano, esses mesmos custos chegaram a representar quase 60% dos recursos consumidos
pela empresa.

Em 2019, a Casemg gerou uma receita de R$ 13,6 milhões com vendas de serviços e mercadorias. Em 2020, a receita gerada pelas mesmas vendas não ultrapassou os R$ 2 milhões. Em setembro deste ano, a Casemg informou um patrimônio ativo circulante de R$ 12,4 milhões e de R$ 16,5 milhões em ativos não circulantes.

O secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Diogo Mac Cord, afirmou que a Casemg não mais exercia uma função de entrega de serviços públicos relevantes. “E quando o setor privado não tem interesse em absorver a atividade, seja porque ela não é economicamente viável, seja porque a empresa já atingiu um grau de insolvência que a faz incapaz de retomar qualquer atividade, a orientação é de liquidação da empresa devido ao seu valor de mercado negativo”, complementou o secretário.

Segundo a Casemg, a execução do plano de trabalho para a liquidação da estatal custou cerca de R$ 2,9 milhões. Já as indenizações geradas pelas demissões de colaboradores tiveram um custo estimado de aproximadamente R$ 5,8 milhões. Ao todo, o desembolso para a execução da liquidação da companhia foi de R$ 35,2 milhões.

Histórico – A companhia foi fundada em 1957, através de uma lei estadual sancionada pelo então governador José Francisco Bias Fortes. Criada como uma Sociedade de Economia Mista, a Casemg passou a atender à demanda gerada pela falta de locais para armazenamento de produtos agrícolas em Minas Gerais. A empresa chegou a ter unidades em 126 municípios do Estado.

Em setembro de 2000, a companhia foi federalizada como entidade integrante da Administração Pública Indireta da União, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Na época, a empresa contava com uma capacidade estática superior a 520 mil toneladas, que representava 16% da rede efetiva de armazenamento de Minas Gerais.

Serviços devem impulsionar emprego em 2021

Brasília – O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, afirmou ontem que o emprego vai crescer em 2021 puxado pelo setor de serviços. Sachsida destacou que ainda existem  R$ 110 bilhões de recursos a serem injetados na economia por meio do restante de pagamentos do auxílio emergencial e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

“O emprego vai crescer em 2021. Os dados são muito claros: o grosso do desemprego está vindo do setor informal. À medida que o setor de serviços retoma, rapidamente volta a contratar, à medida que o distanciamento social diminui, rapidamente tem a contração de informais”, disse Sachsida, em entrevista coletiva virtual para apresentar o boletim MacroFiscal da secretaria.

Sachsida disse ainda que o governo tem trabalhado para reduzir os custos da contratação formal. De acordo com o secretário, para cada R$ 1 mil pago em salários, o empregador tem custos de R$ 1,8 mil. “Quer dizer que o trabalhador recebe pouco, e empresário paga muito. Enquanto sociedade, vamos ter que endereçar essa questão. Há várias frentes para diminuir a burocracia, o custo de contração no Brasil”.

Ele ressaltou que é preciso fazer escolhas, como dar aos trabalhadores o direito de escolher se querem trabalhar no domingo à noite, por exemplo. “Vamos ter que devolver ao trabalhador o seu inalienável direito de escolher para quem e quando trabalhar. Se ele quer trabalhar, deixa ele em paz”, argumentou. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!