COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Volume de serviços tem retração de 0,6% no Estado

COMPARTILHE

CRÉDITO:ALISSON J. SILVA/Arquivo DC

O setor de serviços em Minas Gerais apresentou, em abril, um avanço de 0,3% frente a março de 2019, na série com ajuste sazonal. Porém, em relação ao mesmo intervalo de 2018, foi apurada queda de 0,6%, conforme mostrou os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada, ontem, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O fraco desempenho do setor é justificado pela economia enfraquecida, pela alta taxa de desemprego e pelo comprometimento da renda das famílias.

A analista do IBGE Minas Gerais, Cláudia Pinelli, explica que o resultado positivo verificado na comparação de abril com março acompanhou a tendência nacional, que também apresentou aumento de 0,3%.
Já na comparação mensal (abril 2019/abril 2018), houve queda de 0,6%. No período, foi observada retração no volume de serviços de transporte, serviços auxiliares de transporte e correio (9,4%) e serviços prestados às famílias (2,9%).

PUBLICIDADE

“A retração na comparação mensal está atrelada, principalmente, aos serviços prestados às famílias, que vem acumulando quedas nos últimos meses. A redução está fortemente relacionada ao fraco desempenho do mercado de trabalho, à alta taxa de desemprego e do comprometimento da renda das famílias. No setor de transporte, que também apresentou queda, o desempenho baixo da indústria justifica o resultado negativo”, explicou.

Ainda na comparação mensal, em Minas Gerais, foi registrada elevação de 4% no índice de volume de serviços de informação e comunicação. O serviço de profissionais, administrativos e complementares cresceu 4,2% e outros serviços 24,8%.

Acumulado – No acumulado do ano até abril, frente igual intervalo de 2018, o setor de serviços em Minas Gerais cresceu 0,5%. Influência que veio dos resultados positivos de serviços de informação e comunicação (3,8%), serviços profissionais, administrativos e complementares (2,6%) e outros serviços (20,9%).

Ainda em relação aos quatro primeiros meses do ano, o índice de volume de serviços retraiu 2,5% em serviços prestados às famílias e apresentou queda de 5,1% em serviços de transporte, serviços auxiliares de transporte e correio.

Em relação aos últimos 12 meses, a variação ficou 0,5% maior quando comparada com igual período de 2018. Nesta base de comparação, foram verificados resultados positivos nos índices de volume de serviços de informação e comunicação (1%), serviços de transporte, serviços auxiliares de transporte e correio (0,6) e outros serviços (16,3%).

No período, assim como nas demais bases de comparação, os serviços prestados às famílias retraíram 2,2%. Queda também em serviços profissionais, administrativos e complementares (2%).

Resultado ficou positivo no País

Rio e São Paulo – O volume de serviços no Brasil teve alta em abril pela primeira vez no ano com destaque para serviços de informação e comunicação, e iniciou o segundo trimestre com leve força em meio à perspectiva de fraqueza da economia do País neste ano.

Em abril, o volume do setor cresceu 0,3% na comparação com o mês anterior, de acordo com os dados divulgados ontem pelo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos quatro primeiros meses do ano, o volume de serviços no Brasil acumulou perdas de 1,8%. Em relação ao mesmo período de 2018, o volume apresentou recuo de 0,7%, na segunda taxa negativa seguida.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de alta de 0,4% na comparação mensal e queda de 0,5% na base anual.

“Não dá para dizer que estamos num início de recuperação ou de uma nova tendência. A variação de 0,3% não elimina a perda dos demais meses”, afirmou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Os dados do IBGE mostram que os serviços de informação e comunicação aumentaram em abril 0,7%, recuperando com isso parte da perda de 1,8% registrada no mês anterior.

“O que puxou o resultado foi informação e comunicação, que é o que mais pesa, com 33%. Houve um aumento de TV aberta e de empresas de TI”, disse Lobo.

Outras duas atividades apresentaram ganhos no mês – serviços profissionais, administrativos e complementares, de 0,2%; e serviços prestados às famílias, de 0,1%.

De acordo com o IBGE, shows e espetáculos realizados em abril – com destaque para o Lollapalooza em São Paulo e o Cirque du Soleil, no Rio de Janeiro – ajudaram no resultado positivo do setor em abril. Hospedagem, alimentação e gestão de espaços para eventos ajudaram os serviços prestados às famílias a manterem a tendência positiva do mês anterior.

Por outro lado, os transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio contraíram 0,6%; enquanto outros serviços tiveram queda de 0,7%.

Em meio à inflação baixa, mas diante de um cenário de desemprego ainda elevado no país, o setor de serviços foi em abril na contramão das vendas varejistas, que tiveram o primeiro resultado negativo para o mês.

Já a produção industrial teve alta abaixo do esperado em abril, de 0,3%.
No primeiro trimestre, os serviços cresceram apenas 0,2% na comparação com os três meses anteriores, em uma economia que apresentou no período recuo de 0,2%, a primeira queda trimestral desde o fim de 2016. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!