COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
A taxa de desocupação equivale a um contingente de 1,26 milhão de pessoas no Estado, diz o IBGE | Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

Embora a taxa de desocupação esteja acendendo desde maio em Minas Gerais, chegando ao patamar mais elevado no mês passado, com 12,3% da população ativa do Estado, o equivalente a 1,26 milhão de pessoas, o ritmo de crescimento está desacelerando. É o que indicou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Covid-19 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o analista do IBGE Minas, Alexandre de Lima Veloso, estatisticamente, pode-se dizer que houve estabilidade de julho para agosto. Para se ter uma ideia, a taxa era de 10,4% em maio, passou para 11,8% em junho, aumentou para 12,2% em julho e para 12,3% em agosto.

PUBLICIDADE

“Tivemos um crescimento maior da taxa de desocupação no início da pandemia e agora, apesar da ligeira elevação, observa-se certa estabilidade no nível. Este aumento ocorre por dois motivos: pela perda real de postos de trabalho, em função da crise econômica imposta pelo vírus, e por haver mais pessoas à procura de uma vaga no mercado de trabalho”, explicou.

E mesmo sendo a taxa de agosto, a mais elevada dos últimos meses para o Estado, Minas apresentou o menor índice entre as unidades federativas da região Sudeste. O estado com maior taxa na região foi o Rio de Janeiro (15,0%), seguido por São Paulo (14,5%) e pelo Espírito Santo (12,6%).

Ainda segundo Veloso, o movimento já era esperado, principalmente, devido à flexibilização das medidas de isolamento social. Isso porque, segundo ele, no início da pandemia, havia mais pressão no mercado de trabalho, e as pessoas, mesmo desempregadas e sem sair de casa, não estavam procurando emprego. “Agora, elas já voltaram a buscar recolocação”, citou.

A principal diferença, conforme o especialista, vem ocorrendo quanto ao mercado informal. Segundo ele, tradicionalmente, parte dos desocupados é absorvida pela informalidade, o que não foi observado durante a pandemia. “Não aconteceu, justamente, porque os trabalhos informais (ambulantes, empregados domésticos, por exemplo), também foram afetados”, justificou.

Isolamento – A Pnad Covid-19 revelou queda no número de pessoas que declararam estar rigorosamente isoladas em Minas Gerais entre julho e agosto. Em julho, mais de 4,5 milhões de mineiros (21,2%) estavam no grau máximo de isolamento. Já no mês passado, este número caiu para 4 milhões (18,8%), o que representou uma queda de 2,4 pontos percentuais.

Também aumentou o número de pessoas que declararam que em agosto reduziram o contato, mas continuaram saindo de casa ou recebendo visitas. Enquanto no sétimo mês de 2020, este grupo representava 35,8% dos mineiros, o percentual chegou a 37,6% em agosto, ou seja, mais de 8 milhões de pessoas.

Houve também uma discreta diminuição do número de pessoas que declarou não ter feito nenhuma restrição devido à pandemia. Eram 406 mil pessoas em julho e 384 mil em agosto, queda de 0,1 ponto percentual.

Maria Lucia Vieira aponta aumento número de testes de Covid-19 | Crédito: Divulgação

Total de desocupados no País cresceu 27,6%

Rio – A população desocupada no Brasil, que era de 10,1 milhões em maio, passou para 12,3 milhões em julho, e, em agosto, atingiu 12,9 milhões de pessoas, um aumento de 27,6% desde maio. A taxa de desocupação aumentou em 0,5 ponto percentual de julho para agosto, passando de 13,1% para 13,6%.

Os dados constam da edição mensal da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid-19 (Pnad Covid-19), divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em agosto, a Pnad Covid-19 estimou a população ocupada do país em 84,4 milhões de pessoas, com aumento de 0,8% em relação a julho, mas ainda acumulando redução de 2,7% em relação a maio.

A região Sul foi a única a apresentar queda da população desocupada (2,3%). As regiões Nordeste, com 14,3%, e Norte, com 10,3%, apresentaram as maiores variações.

A taxa de desocupação entre as mulheres foi de 16,2%, maior que a dos homens, com 11,7%, sendo que a diferença também foi verificada em todas as grandes regiões. Por cor ou raça, no Brasil e em todas as grandes regiões, a taxa era maior entre as pessoas de cor preta ou parda (15,4%) do que para brancos (11,5%).

Por grupos de idade, os mais jovens apresentaram taxas de desocupação maiores, de 23,3% para aqueles de 14 a 29 anos de idade. Por nível de escolaridade, aqueles com nível superior completo ou pós-graduação tiveram as menores taxas, 6,8%.

Auxílio emergencial – Em agosto, o percentual de domicílios onde pelo menos um dos moradores recebeu algum auxílio para combater os efeitos da pandemia foi de 43,9% no país, sendo que as maiores proporções estavam no Norte (61%) e no Nordeste (59,1%). O valor médio do benefício recebido pela população foi de R$ 901 por domicílio.

Entre os tipos de auxílio abordados pela pesquisa estão o emergencial, destinado a trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e a complementação do governo federal pelo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda.

O Amapá, com 71,4%, foi o estado com maior proporção de domicílios onde um dos moradores é beneficiário de programa de auxílio emergencial, seguido de Maranhão, com 65,5%, e Pará, 64,5%.

“Esse índice ficou estável em praticamente todos os estados. O total de domicílios que receberam auxílio teve um aumento grande de maio para junho e, de junho para julho, praticamente não cresceu, ficando estável em agosto”, disse, em nota, a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira.

Testes – Até agosto, 17,9 milhões de pessoas, 8,5% da população, haviam feito o teste de diagnóstico para saber se estavam infectadas pelo novo coronavírus (Covid-19) no Brasil. Destas, 21,6%, o equivalente a 3,9 milhões de pessoas, testaram positivo.

Segundo a coordenadora da pesquisa, uma maior disponibilidade de testes e, consequentemente, um maior acesso a eles por parte da população podem justificar o aumento no número de pessoas que estão fazendo o exame. “Como a pandemia não acabou, é natural que aumente esse número, inclusive entre as pessoas que não tiveram sintomas, mas que tiveram contato com alguém que teve Covid-19 e fizeram o teste para se certificar”, explicou. (ABr)

 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!