As vendas de veiculos novos sofreram retração de 14,63% no mês passado em Minas, aponta a Fenabrave | Crédito: Charles Silva Duarte/Arquivo DC

As medidas de restrição e circulação de pessoas recomendadas pelas autoridades sanitárias como forma de conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil já refletem no desempenho das vendas de veículos. Diante do novo cenário, o mercado prevê recuo entre 15% e 40% nos níveis de comercialização neste exercício sobre o ano anterior, índice que poderá ser observado também em Minas Gerais, a depender da duração do quadro de pandemia no País.

A avaliação é do presidente do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Estado de Minas Gerais (Sincodiv-MG), Camilo Lucian. Segundo ele, no entanto, ainda é cedo para falar em ano perdido, uma vez que ainda estamos no quarto mês do ano e haverá o segundo semestre, quando as vendas são, tradicionalmente, mais aquecidas.

“Tudo isso vai depender da duração da pandemia e das medidas de distanciamento social impostas no País. Defendemos a retomada das atividades o mais rápido possível, mas com segurança acima de tudo. As concessionárias são ambientes amplos e é possível mantê-las em funcionamento sem aglomeração de pessoas, com salas arejadas, como já está sendo feito com as oficinas”, argumentou.

Neste sentido, ele disse que o setor já encaminhou ao governador Romeu Zema (Novo) solicitação para liberação das atividades, aos moldes do que ocorreu em Brasília, por meio de decreto estadual, que autorizou o retorno das atividades.

Além disso, o sindicato tem atuado para minimizar as perdas das concessionárias, seja junto das montadoras ou dos órgãos municipais e estaduais quanto ao pagamento de tributos. “Os custos mais elevados são de folha, aluguéis e tributos. Por isso, o mais importante é retomar”, citou.

Dados regionalizados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) mostram que o volume de carros novos comercializados no Estado no mês passado caiu 14,63% sobre março de 2019.

Ao todo, os emplacamentos em Minas atingiram 50.666 unidades em março deste exercício contra 59.346 veículos no mesmo período do ano passado. Sobre fevereiro, quando as vendas somaram 49.787 unidades, houve crescimento de 1,78%.

Em Belo Horizonte, o desempenho foi ainda pior. O total de emplacamentos no mês de março chegou a 34.023 unidades na capital mineira, número 20,96% menor que o observado na mesma época do exercício passado: 43.047. Um mês antes, o número havia sido 36.662, o que equivale a uma queda de 7,2%.

É que o Decreto nº 17.304, de 18 de março de 2020, da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), cujo objetivo é evitar aglomerações e a disseminação do vírus, suspendeu o funcionamento das concessionárias da cidade. Desde então, as lojas estão adotando estratégias para tentar manter os níveis de comercialização ou, ao menos, amenizar os impactos nas vendas.

Ajuda digital – Uma rápida busca pela internet mostra avisos nos websites das principais revendedoras de veículos da Capital sobre o fechamento das unidades, funcionamento parcial das oficinas, agendamento de horários para atendimentos exclusivos, vendas virtuais e portas suspensas.

No site da rede Carbel, por exemplo, diz: “Em respeito aos nossos colaboradores e clientes e visando às medidas de contenção do Covid-19, informamos que nosso funcionamento será feito em regime de plantão virtual através de telefone, mídias sociais e WhatsApp”.

No caso da Concessionária Mila, a mensagem digital diz que, em atenção ao delicado momento para a Saúde Pública Nacional, as empresas do Grupo Líder estão se adequando de forma coletiva para conter a propagação do vírus, de modo a preservar o bem-estar e a segurança de todos os clientes, colaboradores, fornecedores e parceiros.

Já a Automaia Veículos tem tomado diversas medidas procurando conciliar o distanciamento social com o atendimento aos clientes que procuram pelos serviços durante este período. De acordo com o sócio proprietário da concessionária, Flávio Maia, o horário de atendimento foi reduzido e os atendimentos estão ocorrendo apenas com hora agendada.

Assim, estão conseguindo manter, no máximo, dois clientes por vez dentro da loja. Além disso, a utilização de álcool em gel se tornou obrigatória dentro das dependências para a segurança de todos e o atendimento inicial está sendo feito por telefone, WhatsApp ou chat.

“Através destes canais, os clientes podem receber fotos dos veículos, tirar dúvidas sobre os modelos, estado de conservação e até mesmo receber as simulações de financiamento”, explicou.