COTAÇÃO DE 26/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7610

VENDA: R$4,7610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8500

VENDA: R$4,9530

EURO

COMPRA: R$5,1433

VENDA: R$5,1459

OURO NY

U$1.850,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+1,18

POUPANÇA

0,6719%

OFERECIMENTO

Negócios

Campos de Minas investe na produção de linha de pão de queijo

COMPARTILHE

Campos de Minas vai retomar os investimentos na sua linha de croissants em fevereiro - Alisson J. Silva

Iguaria símbolo de Minas Gerais, o pão de queijo assume o posto de carro-chefe dos negócios da Campos de Minas, sediada em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). A indústria, que completa 20 anos em abril, lança a linha de pães de queijo em três versões – coquetel (18 a 20g), para buffets; tradicional (entre 27g e 30g), para as padarias; e lanche (70g), para as lanchonetes; em dois sabores: tradicional e frango – já em fevereiro.

De acordo com o sócio da Campos de Minas, João Lucas Rodrigues, esse é um momento de prospecção de distribuidores. Em Belo Horizonte, o produto pode ser encontrado na distribuidora de alimentos Nova Safra, na Ceasa. Já estão em negociação parceiros em João Monlevade, no Vale do Aço, e para o estado de São Paulo. O empreendedor tem como parceiros os sócios Rolângela Teixeira e Gabriel de Freitas Mendes.

PUBLICIDADE




A expectativa é que até o final de 2019, o pão de queijo responda por 30% do faturamento mensal. “Estamos no mercado há bastante tempo sempre apostando na qualidade como diferencial. Em 2017, tive uma padaria e aprendi muito sobre o mercado e convivendo diretamente com o consumidor. Vi o quanto é difícil encontrar um pão de queijo realmente bom, com gosto do interior. Foi quando entendi que podíamos fazer esse produto, com a cara da Campos de Minas”, explica Rodrigues.

O investimento na nova linha de produção foi de R$ 70 mil gerando uma capacidade produtiva de 400 quilos pro dia, que pode ser aumentada apenas com contratação de mão de obra para 750Kg/dia. O queijo escolhido é da região do Serro.

“Vamos com cuidado. Um mercado como São Paulo, por exemplo, todas as marcas querem, mas uma entrada mal sucedida pode ser um desastre para qualquer empresa. Queremos competir pela qualidade e não apenas pelo preço. Hoje existe uma pressão muito forte pela questão dos custos. Eu não vou diminuir a quantidade de queijo da receita simplesmente para tornar o produto mais barato”, garante o sócio da Campos de Minas.

Croissants – Além de lançar a venda de pães de queijo, a Campos de Minas quer retomar, até meados de fevereiro, o investimento nos croissants, produto que já chegou a responder por 70% do faturamento mensal da empresa entre 2007 e 2009. Antes vendidos congelados para supermercados que comercializavam os petiscos a granel, sem divulgar a marca, agora serão oferecidos diretamente ao consumidor final congelados e assados. São quatro sabores: frango, napolitano, [uma mistura de presunto, queijo e orégano], chocolate e Romeu & Julieta (goiabada com queijo).

PUBLICIDADE




Para que os produtos estejam disponíveis em cerca de 40 pontos de venda com os quais a empresa já trabalha em Belo Horizonte, a Campos de Minas já negocia com os distribuidores. A estimativa é que a retomada dos croissants passe a representar 5% das vendas até o fim do primeiro semestre, com projeção de crescimento para 10 a 15% em dezembro.

Atualmente o produto corresponde a menos de 4% do faturamento mensal.
“Além do consumidor final, vamos continuar atendendo às lanchonetes e restaurantes. Também já estamos em alguns hotéis, mas esse é um nicho em que ainda podemos crescer bastante”, completa o empresário.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!