COTAÇÃO DE 19/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5770

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,2610

VENDA: R$6,2639

OURO NY

U$1.814,31

OURO BM&F (g)

R$322,84 (g)

BOVESPA

+0,28

POUPANÇA

0,6310%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Trabalho híbrido aumenta produtividade

COMPARTILHE

" "
Mais de 3/4 dos trabalhadores ouvidos na pesquisa desejam manter a flexibilidade em relação à sua própria programação | Crédito: Pixabay

O chamado novo normal, trazido pela pandemia da Covid-19, agora é híbrido. Sim, uma realidade que está moldando as práticas de trabalho, fazendo com que tanto colaboradores quanto líderes estejam pedindo mudanças contínuas e permanentes, seja no como e onde se trabalha, mas, principalmente, como o desempenho é medido. Diante disso, o Grupo Adecco – empresa líder mundial em soluções de RH e na qual a Consultoria LHH faz parte – realizou o estudo global “Reinicializando o normal: definindo a nova era do trabalho”. O objetivo foi analisar como as atitudes em relação ao trabalho mudaram ao longo de 12 meses e destacar as questões-chave que as empresas devem seguir para se adaptarem com sucesso neste período de transição.

Ao todo foram entrevistados mais de 15 mil trabalhadores, com idades entre 18 e 60 anos, de 25 países diferentes, incluindo o Brasil com mais de 300 participantes. Um dos destaques da pesquisa é a constatação de que o trabalho híbrido veio para ficar, porém a flexibilidade é fundamental. Globalmente, 53% dos entrevistados querem este modelo, porém, sinalizando que, pelo menos, metade do tempo gasto trabalhando seja remoto. No nível latam, 78% dos trabalhadores já têm uma configuração em casa que permite que as atividades sejam realizadas à distância.

PUBLICIDADE




Em contrapartida, isso não acarreta perda de produtividade, já que 82% se sente tão produtivos ou mais do que antes. “Uma das consequências da pandemia foi a aceleração das tendências existentes a ponto de não poderem ser ignoradas. Exemplo disso é que o futuro do trabalho será flexível. No entanto, o sucesso disso dependerá da adaptação a elas tanto dos indivíduos quanto dos líderes”, afirma o Country Head do Grupo Adecco, José Augusto Figueiredo. Além disso, mais de 3/4 dos trabalhadores desejam manter a flexibilidade em relação à sua própria programação, voltando para o escritório, mas em seus próprios termos. Essa tendência é maior entre as gerações mais jovens, sendo 56% da Geração Z, 48% da Millennials, 45% da Geração X e 44% da Baby Boomers. Já aqueles que têm filhos, 51% querem trabalhar no escritório e 42% não.

Agora, embora muitos tenham se beneficiado do trabalho híbrido, nem todos tiveram uma experiência positiva. Questões sobre a duração da semana de trabalho devem ser abordadas, pois o futuro fica flexível, com a menção de jornadas longas aumentando 14% no último ano e mais da metade dos entrevistados (57%) afirmando que seriam capazes de fazer o mesmo trabalho em menos de 40 horas. Sem falar que mais trabalhadores e líderes (73%) estão pedindo para serem avaliados por resultados não por horas de trabalho, uma tendência que já era forte em 2020.

Diante disso, os líderes além de terem o desafio de acompanhar as mudanças, terão também que atender às necessidades de cada colaborador bem como equilibrar o trabalho remoto e o cuidado com suas equipes. “Tal processo só será menos ´doloroso´ se os gestores começarem a desenvolver seus talentos com habilidades e capacidades necessárias para essa nova realidade”, explica Figueiredo, acrescentando que, dessa forma, será possível construir uma cultura corporativa coesa com uma força de trabalho produtiva, resiliente e saudável. “Isso significa que as empresas que mais rápido se adaptarem e implementarem tais ações serão bem-sucedidas. Já as que não acompanharem as mudanças correm o risco de ´morrerem´”, complementa.

Saúde mental -De acordo com a pesquisa, a má qualidade de saúde mental dentro desse novo cenário é um problema emergente e que pode levar a perda de uma nova geração de líderes. Para ter ideia, mais da metade dos jovens líderes (54%) sofrem de burnout – distúrbio psíquico causado pela exaustão extrema – e 3 em cada 10 trabalhadores afirmaram que sua saúde física e mental diminuiu nos últimos 12 meses. Para Figueiredo, as organizações devem reavaliar como podem melhor apoiar e oferecer recursos de bem-estar aos seus funcionários dentro desse novo modelo, uma vez que 67% dos trabalhadores disseram que os líderes não atendem às suas expectativas em relação à verificação de sua saúde mental.




O estudo detectou ainda que há uma grande desconexão dos líderes entre as visões da administração sobre seu próprio desempenho e a opinião de seus funcionários. A satisfação com a liderança é baixa, já que apenas um terço dos colaboradores sentem que estão recebendo o devido reconhecimento e apenas metade de todos os trabalhadores afirmaram que seus gerentes atenderam ou superaram as expectativas de encorajar uma boa cultura de trabalho (48%) ou ajudar no suporte do equilíbrio trabalho/vida pessoal (50%).

Fuga de talentos – Figueiredo chama atenção também para outro ponto que o levantamento detectou: a satisfação dos talentos em relação as suas progressões de carreira dentro da companhia. Os resultados de motivação e engajamento foram baixos, onde menos da metade está satisfeita com as perspectivas de carreira em sua empresa, quase 2 em cada 5 estão mudando ou considerando novas carreiras e 41% estão pensando em mudar para empregos com opções de trabalho mais flexíveis. “Essa grande fuga de talentos é preocupante, porém ainda não iminente”, diz Figueiredo.

Segundo ele, para se antecipar e tentar deter este movimento, as organizações precisam a partir de agora se reconectarem com suas forças de trabalho. “Até porque 2/3 dos entrevistados estão confiantes de que as empresas iniciarão novas contratações significativas, sendo segurança, ação, cultura, bem-estar e desenvolvimento, os aspectos mais importantes apontados pela pesquisa sobre o emprego para o futuro”, conclui.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!