COTAÇÃO DE

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6280

VENDA: R$5,6280

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6030

VENDA: R$5,7800

EURO

COMPRA: R$6,7254

VENDA: R$6,7278

OURO NY

U$1.763,38

OURO BM&F (g)

R$319,29 (g)

BOVESPA

+0,34

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Anglo American confia na fase 3

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Entre atrasos, problemas com licenciamento e revisões de orçamento, o Sistema Minas-Rio, da Anglo American, com ativo minerário localizado entre Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas (Médio Espinhaço), custou 133,3% a mais que o orçamento inicial previsto para colocar o projeto em operação. A companhia investiu US$ 8,4 bilhões para iniciar as atividades do Minas-Rio, diante de uma projeção original de US$ 3,6 bilhões. Ainda assim, a empresa e especialistas consultados pela reportagem acreditam que o projeto é rentável porque entrega minério de qualidade e com baixo índice de contaminantes, o que garante prêmios na venda do insumo. “(O Minas-Rio) É um projeto de longo prazo, um negócio competitivo, com um produto de alta qualidade e grande demanda no mercado internacional. A qualidade do minério, com teor de ferro de 67% a 68% e baixo índice de sílica e outros contaminantes, é tão boa que recebemos um prêmio pelo produto”, afirmou o diretor de Assuntos Corporativos da Anglo American, Ivan Simões. O sistema Minas-Rio foi adquirido pela Anglo da MMX Mineração e Metálicos, que chegou a fazer parte do império de empresas do empresário Eike Batista, em duas etapas. A primeira foi em 2007, quando a companhia desembolsou US$ 1,1 bilhão por 49% do projeto, que compreendia, na época, apenas a mina e a planta de beneficiamento. Depois, em agosto de 2008, a Anglo comprou por US$ 5,5 bilhões o restante do empreendimento, 49% do Porto de Açu, em São João da Barra (RJ), e 70% de um ativo minerário no Amapá. Além das minas e do terminal portuário, o empreendimento conta com um mineroduto de 529 quilômetros de extensão. Se o valor total da negociação (US$ 6,6 bilhões) for adicionado aos US$ 8,4 bilhões que o projeto demandou para entrar em operação, o gasto no empreendimento chega a US$ 15 bilhões, investimento muito mais alto que o previsto quando a Anglo começou a apostar no projeto. “De fato, o custo do projeto ficou bem acima do esperado, mas o sistema de produção e, principalmente, o transporte feito por mineroduto, é muito eficiente. Além disso, o minério extraído tem teor relativamente elevado. Se olharmos sob esta ótica, o projeto é rentável sim”, disse uma outra fonte de mercado, que preferiu não se identificar. “Não é um projeto simples, é complexo. Um projeto com esse grau de complexidade sempre tem ajustes porque aparecem coisas que não estavam previstas. Ter custado mais e demorado mais que o previsto não é uma característica única do Minas-Rio. O grupo está comprometido com o projeto e em nenhum momento houve dúvidas”, argumentou o diretor da Anglo. Parte importante do investimento acima do planejado aconteceu porque a construção do empreendimento enfrentou uma série de problemas, a maior parte ligada ao acesso às terras e ao licenciamento ambiental, dividido entre Estado, no caso das estruturas da mina, entre Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas, e União, no caso do mineroduto, que passa por dois estados (Minas e Rio de Janeiro). Com isso, o startup do sistema, projetado para 2012, só aconteceu dois anos depois, em 2014, e, mesmo assim, o Minas-Rio ainda passa por obras para alcançar a capacidade projetada originalmente de 26,5 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. O atraso do Minas-Rio, segundo fontes que preferiram sigilo, teria sido um dos motivos, à época, para que a então chief executive officer (CEO) da Anglo, Cynthia Carroll, cedesse à pressão dos acionistas e deixasse o cargo. Leia também: Samarco projeta para 2019 todas as licenças para retomada Fase atual – De lá para cá, o Minas-Rio chegou a uma produção da ordem de 17 milhões de toneladas de minério de ferro no ano passado. No entanto, as operações estão paralisadas desde 29 de março, após o segundo vazamento no mineroduto, em Santo Antônio do Grama, na Zona da Mata. O primeiro vazamento ocorreu em 12 de março. Atualmente, a companhia realiza o trabalho de inspeção em toda a extensão do duto. A paralisação das atividades, segundo o diretor da Anglo, também fez a mineradora renegociar contratos, individualmente, com os clientes. Ao mesmo tempo, a Anglo está tocando as obras da fase 3 do projeto, que permitirão à produção do ativo alcançar as 26,5 milhões de toneladas anuais do insumo. As licenças prévia (LP) e de instalação (LI) para esta etapa foram concedidas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), no final de janeiro. A empresa estima que tanto o trabalho no duto quanto a concessão da licença de operação (LO) para a fase 3 devem acontecer em datas próximas, no começo de 2019. “Quando iniciarmos a fase 3, teremos pelo menos mais 15 anos pela frente”, destacou o diretor da Anglo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!