Após 32 anos, estatal não financiou sozinha a iluminação de Natal da Praça da Liberdade - Crédito: Lúcia Sebe / Secom MG

Já não é de hoje que a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) busca voltar seus esforços para o core business (geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica), visando a se tornar cada vez mais competitiva e eficiente, principalmente diante da possibilidade de privatização. A mais recente das ações foi a redução dos investimentos em decorações natalinas.

Após 32 anos, a estatal não financiou sozinha a tradicional iluminação de Natal da Praça da Liberdade, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, nem se responsabilizou por iluminações de prédios públicos como Cidade Administrativa, Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), ou ofereceu decorações típicas para cidades do interior.

O resultado da medida foi uma economia de 87% nos custos natalinos por parte da companhia neste exercício. Para se ter uma ideia, em 2018 foram gastos cerca de R$ 6 milhões com as ações citadas. Já neste ano, os projetos contemplados pela Cemig somaram aproximadamente R$ 750 mil.

As informações são do diretor de Comunicação e Sustentabilidade da energética, Marco Antônio Lage. Segundo ele, a decisão da empresa vai muito além de um simples corte de gastos e considera também a mudança de hábitos e paradigmas.

“Primeiramente nos questionamos sobre a responsabilidade dos investimentos nesta época do ano, diante da situação financeira em que a companhia se encontra, e com sucessivas cobranças por parte dos clientes sobre as fragilidades do sistema e da prestação do serviço”, comentou.

Além disso, conforme o diretor, foi despertada a consciência de ampliar o projeto e apostar não apenas nas lâmpadas, mas em ações culturais e sociais a partir desta que é uma das mais importantes datas do ano. Para isso, em 2019, a empresa focou os esforços e projetos apenas na Praça da Liberdade, com agenda cultural formatada em parceria com os demais apoiadores, e no prédio da Cemig, com decoração, exposições e espetáculos de música, dança e artes cênicas.

“A iniciativa na sede deu tão certo, que já estruturamos uma proposta para estender o projeto para o Natal do ano que vem para a Praça da Liberdade, em parceria com os demais integrantes do Circuito Cultural e a CDL-BH. A ideia é que façamos uma ação mais abrangente com decoração e programação completa, com eventos sociais e culturais”, completou.

Do total investido pela Cemig no Natal deste ano, cerca de R$ 500 mil foram direcionados para a decoração da Praça da Liberdade. O evento é uma das atrações mais esperadas da temporada natalina na capital mineira e era bancado desde 1987 pela estatal de energia. No entanto, com as alterações propostas pela diretoria, a companhia foi em busca de parceiros para estruturar o evento e não extinguir o projeto.

“Não podíamos simplesmente acabar com a proposta. As pessoas esperam o ano todo pela decoração e a inauguração se torna um grande evento”, disse. Assim, um grupo de empresários liderado pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) assumiu a empreitada ao lado da companhia e a famosa iluminação foi inaugurada no último dia 11 e ficará disponível até o dia 6 de janeiro do ano que vem.

Neste ano, são três árvores de Natal (uma com 12 metros e duas com três metros cada), 200 mil micro lâmpadas de LED – mais econômicas que microlâmpadas convencionais-, 300 estrelas variadas, 400 jogos de strobos e 400 snow (tubos que remetem a neve caindo).

Além da Cemig e CDL-BH, aderiram ao projeto: MRV, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha), Circuito Praça da Liberdade, Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e a Gerdau. A ação conta com a parceria da ArcelorMittal, Copasa, Associação Mineira de Supermercados (Amis), Olimpo Segurança, Sicoob Divicred e Dois5F.