COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Antes que a fonte seque

COMPARTILHE

Crédito: Agência Brasil

Ficamos pelo menos seis meses sem uma chuva de verdade no Noroeste de Minas. O sol que nos castigou a pele também adiou a etapa de plantio, tão importante para a nossa economia, cujo ponto forte é a produção de grãos, sementes e algodão. As altas temperaturas, a estiagem e as queimadas sem controle são uma importante mensagem vinda da natureza. Precisamos estar de olhos e ouvidos atentos para captá-la. Afinal, o que nos importa: a produção ou o meio ambiente? Para nós, produtores rurais, a resposta é simples de verbalizar, mas um desafio para a prática do cotidiano: precisamos produzir mais e de maneira sustentável.

A natureza não vai nos esperar, caso decidamos caminhar a passos de tartaruga. Nosso ecossistema está gritando por socorro e temos uma grande parcela de responsabilidade nisso. O Cerrado abriga uma população em torno 46 milhões de pessoas e também é um dos habitats de maior biodiversidade do globo, segundo o ICMBio. Segundo cálculos de especialistas, a região abriga em torno de 5% da fauna de todo o mundo, além de contar com 12 mil espécies da flora. Um privilégio que aumenta a nossa responsabilidade, especialmente quando pensamos nos riscos de queimadas. O fogo descontrolado nos campos e florestas é o grande vilão que prejudica a disponibilidade hídrica ao afetar a vegetação, a permeabilidade do solo e ao destruir matas ciliares. Por consequência, o saldo final de grandes queimadas é quase sempre a seca de nascentes e a destruição de cursos d’água.

PUBLICIDADE

Sim, queremos desenvolvimento. Precisamos de mais energia para atender a grandes e pequenas indústrias, pequenos e grandes produtores rurais. Precisamos aumentar a produção em todos os níveis. E também necessitamos de indústrias para agregar valor ao que produzimos. Não menos importante, é necessário fomentar a implantação de agroindústrias de processamento nos projetos de assentamentos da reforma agrária.

Eu concordo que tudo isso é meritório, mas tal processo precisa ser feito com boa orientação técnica, visando não comprometer os nossos mananciais. Afinal, sem água não podemos produzir. O futuro de nossos cultivos e safras ficam em risco cada vez que um rio morre um pouco mais ou quando uma nascente é comprometida, empobrecendo nosso solo.

Neste momento de reflexão e planejamento, devemos evitar extremos. Precisamos buscar o equilíbrio.

 A tarefa dos agricultores é produzir alimentos para nutrir a Humanidade de forma responsável. Precisamos encontrar um modelo onde todas as camadas sociais sejam beneficiadas. O grande produtor pode continuar fazendo do Noroeste o maior produtor de grãos do Estado e os pequenos e médios agricultores devem seguir prosperando e garantindo a segurança alimentar de nossa gente. E, neste ciclo de produção eficiente, o comércio local em seus mais distintos segmentos seguirá sendo estimulado pela força de nossa cadeia produtiva agrícola. Mas precisamos que isso seja feito de forma que não se agrida o nosso meio ambiente, que deve ser preservado.

Ou seja: a solução está na sustentabilidade e o melhor que temos a fazer é internalizar esse conceito e aplicá-lo em nosso dia a dia. Até porque o seu patrimônio, qualquer que seja o tamanho dele, precisa de um meio ambiente saudável. Os ambientalistas devem continuar alertando sobre a necessidade da preservação do meio ambiente sem achar que os produtores são predadores. Na verdade, somos partícipes de uma tarefa comum que é viver e preservar a diversidade de nosso planeta. Dependemos uns dos outros.

Ao entender os alertas sobre a necessidade de desenvolvermos produções agrícolas mais sustentáveis, fui atrás de conhecimento e fiquei encantado ao ver como pequenas cidades na Europa conseguem produzir muito sem degradar a diversidade ambiental local. Esses aprendizados sempre ocuparam um lugar especial na minha bagagem de experiências de viagens como gestor e como cidadão. Também pesquisei soluções usadas na África, continente afetado pela fome e com grande necessidade de produção alimentícia. Aquele continente também tem muito a nos ensinar.

É esta necessidade de equilíbrio que desafia a humanidade e todos nós precisamos nos abrir para entendermos nosso presente e colocarmos em prática os discursos em prol da sustentabilidade ambiental. Ainda estamos engatinhando para solucionar esta necessária convivência entre produção e preservação natural. Mas, em nossos tempos, já estamos convocados a encontrar soluções para a questão. O Noroeste precisa manter o crescimento e preservar seu maior patrimônio: os recursos naturais que fazem deste lugar uma terra tão rica e produtiva.

*Produtor rural e economista | arquimedesborges@gmail.com
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!