COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Como transformar a sua carreira?

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Em minha atuação como headhunter, o famoso caça-talentos, percebo, diariamente, inúmeros profissionais que têm adiado o seu plano de carreira. Quando se dão conta, os meses passaram; anos se foram. E à medida que o tempo se vai, aumentam as dificuldades para retomar o controle da trajetória profissional. Mas eu tenho uma boa notícia: antes tarde do que mais tarde! Caso a pessoa se sinta “perdida”, é hora de parar, refletir e desenhar novos caminhos, porque é essencial e urgente assumir o comando das próprias atitudes. Isso significa desenvolver o tão falado protagonismo e dar o direcionamento necessário aos próximos passos. Nessas reflexões, vale, inclusive, decidir mudar de profissão, algo que tem sido um movimento cada vez mais natural e possível.

Diante disso, é importante entender que construir uma carreira de êxito não é simples nem fácil. Exige muita cautela, planejamento e, sobretudo, ação. Para isso, é fundamental se preparar: buscar novos conhecimentos, manter ativa a rede de networking, avaliar o mercado e as tendências. Evidentemente, o primeiro passo é verificar o que pode ainda ser feito na sua atual empresa, para mudar o cenário que não tem proporcionado satisfação. Ao entender que realmente já fez de tudo e, então, escolher trocar de emprego ou mudar de carreira, saiba que existem algumas etapas a seguir.

PUBLICIDADE

A primeira delas é ter uma reserva financeira. Afinal de contas, se o indivíduo não estiver preparado nesse aspecto, como bancar uma redução salarial no primeiro momento, por exemplo, caso seja necessário? Flexibilidade é outro ponto relevante, uma vez que, talvez, tenha que “dar alguns passos para trás” no momento de trocar de ocupação. Assim, mudanças menos bruscas – para áreas das quais já reúna algum conhecimento ou experiência – podem ser melhores, pois não envolverá “começar do zero”.

Além disso, deve-se avaliar as perspectivas. O que você quer para a sua carreira nos próximos três ou cinco anos? Quais aprendizados pretende adquirir daqui para frente? Se quer mudar de atividade, precisa compreender esse cenário e ter as suas metas desenhadas de forma muito clara. A troca de carreira não é prejudicial, se for bem estruturada e baseada em objetivos. Logo, o autoconhecimento é uma competência fundamental para essa “guinada”. Ou seja, se conhecer e mapear quais são os seus pontos fortes, fracos e o que é preciso desenvolver melhor. Assim, será possível entender as chances de sucesso em sua nova empreitada. Contar com a orientação de um profissional capacitado poderá acelerar o processo.

Enfim, todos esses aspectos são primordiais para efetivamente transformar uma carreira. Afinal, se falamos tanto em felicidade no trabalho e propósito, é vital atuar em ambientes e organizações que nos fazem bem e nos desafiem a ser melhores profissionais e pessoas a cada dia. Não quer dizer que no, primeiro problema, o indivíduo vai pedir demissão, até porque a resiliência é uma das competências e habilidades, as conhecidas soft skills, desejadas pelas companhias, especialmente em um mundo cada vez mais volátil, incerto, complexo e ambíguo.

No entanto, não há o menor problema em se desligar da atual empresa, quando, realmente, se entende que lá não é o lugar certo. Isso é muito comum, mesmo porque a vida é feita de fases, e buscar uma nova colocação não é apenas sinônimo de que a pessoa está em uma corporação em que é infeliz ou não está integrada. Talvez apenas os planos pessoais e profissionais tenham mudado ou a companhia já não proporcione tantos desafios ou aquela tal visibilidade de crescimento em médio e longo prazos.

Nesse caso, é importante entrar e sair “pela porta da frente”. Significa ser respeitoso e cauteloso, da mesma maneira que ocorreu quando a empresa lhe deu a oportunidade de trabalhar lá. É preciso ser grato pelas experiências, vivências, pessoas e projetos compartilhados. Então, ao optar pela demissão, deve-se comunicar o fato imediatamente ao superior e à área de Recursos Humanos, para que possam planejar a sua saída de forma tranquila. A principal sugestão é ser o mais leve possível nesse momento e evitar usá-lo para desabafar e apontar erros. Siga em frente, com vistas ao futuro.

Também é vital organizar todas as demandas a serem entregues e manter as atividades com o mesmo engajamento de sempre, até o dia do desligamento. Muitos profissionais se esquecem desses detalhes e deixam uma marca negativa no processo de saída da organização. É preciso lembrar que as pessoas estão, constantemente, nos observando e, portanto, devemos nos preocupar com a imagem construída. No mais, mantenha as portas abertas na empresa e o networking com seu ex-líder, ex-pares e ex-colegas. Nunca se sabe o dia de amanhã; não é mesmo?

*CEO, board advisor e headhunter da Prime Talent, professor convidado da Fundação Dom Cabral, conselheiro de RH da ACMinas e da ChildFund Brasil. Instagrams: @davidbraga e @prime.talent
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!