COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

300 ANOS DE MINAS Especial Opinião Opinião-destaque
Crédito: SÉRGIO MOURÃO/SETUR

O DIÁRIO DO COMÉRCIO carrega, em seu propósito, o “fortalecimento de Minas”. E para isso, se propõe a fazer um jornalismo propositivo, crítico e formativo sob os preceitos do Capitalismo Consciente. Mais do que isso, vem provocando a necessidade de uma articulação entre setores e lideranças, para construção conjunta de um projeto de futuro, onde Minas recupere seu protagonismo e se desenvolva de forma a promover uma sociedade mais próspera, justa e igualitária.

Comemoramos hoje, 300 anos da criação da Capitania de Minas Gerais. Mais que um fato histórico, a data de hoje nos dá a oportunidade de resgatar nossa história, entender nosso presente – olhar de frente para ele – e projetar nosso futuro. Com este objetivo, o DIÁRIO DO COMÉRCIO traz, na edição de hoje, um especial que é nossa forma de presentear o Estado. E que se propõe a algumas reflexões – entender nossa história, buscar referências no passado, nos perguntar quando e porque perdemos nossa relevância e protagonismo no cenário nacional. E mais: discutir os caminhos para resgatar e reocupar nosso lugar. Quais são nossos atributos, potenciais e desafios.

PUBLICIDADE

Já ocupamos posição de destaque. Já tivemos voz e vez. Não apenas no ciclo do ouro e do café. Fomos capazes de mobilizar e superar crises como no início da década de 1930, quando não se podia mais preservar o modelo econômico da Primeira República e da vocação agroexportadora da economia nacional. “A luta pela implantação da indústria siderúrgica constituiu o grande tema do IV Congresso Comercial, Industrial e Agrícola realizado em Belo Horizonte em 1935, reunindo representantes de todos os setores produtivos da economia regional, e se tornaria a principal bandeira de luta deste jornal nos anos subsequentes”.(…) “Em fins do mesmo ano, em decorrência das mudanças ocorridas no pós-1930, começou a constituir-se em Minas um grupo de empreendedores e técnicos, preocupados em estudar as questões do desenvolvimento econômico do Estado, com vistas a superação do seu atraso relativo”*. Na década de 70, o Estado reverteu a perda de posição relativa no cenário nacional com um processo de adensamento e diversificação da sua estrutura industrial e consolidação de novos setores industriais. Minas tinha, também, relevância política.

Minas Gerais já foi o Estado com a melhor empresa geradora e distribuidora de energia elétrica, a melhor companhia telefônica, o melhor banco – hoje único no País – de Desenvolvimento e, no conjunto, a melhor e mais ativa estrutura de fomento. Não por acaso apresentava, à época, os melhores indicadores de crescimento no País. Desse esforço resultaram marcas notáveis e ainda presentes, porém incapazes de encobrir a involução que os atuais números espelham.

Estamos estagnados. Somos o terceiro PIB – ainda muito dependentes dos setores de mineração, agronegócio e siderurgia -, mas ocupamos o 9º lugar no ranking nacional de IDH. Observamos não só a evasão de nossos talentos, mas também do comando de setores relevantes da economia. Das 50 maiores empresas brasileiras em faturamento, apenas três estão em Minas.

O que nos levou a superar crises no passado e recuperar a posição de relevância? Vários fatores podem ter contribuído, mas sem dúvida, articulação, lideranças visionárias e comprometidas com um projeto de Estado foram determinantes.

Precisamos hoje recuperar também nossa autoestima, valorizando de fato o Estado, quem sabe, aproveitando seus 300 anos recupere o próprio protagonismo, tendo em conta os ativos relevantes que possuímos e que são mal explorados.

É preciso discutir. É preciso articular. É preciso se posicionar!

É preciso estarmos juntos para construir a Minas que queremos. Mas antes, precisamos entender quem somos e qual a Minas queremos. Juntos somos mais fortes. Venha conosco nesta construção!

*Livro Parceiro do Futuro – biografia de José Costa, escrito por Lígia Leite, Maria Auxiliadora de Faria e Nair Costa Muls 

Adriana Costa Muls – Presidente

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!