COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Logística 4.0: um novo mundo à vista

COMPARTILHE

Trabalho remoto - Crédito: Freepik
Trabalho remoto - Crédito: Freepik
*Advogada, pós-graduada em Gestão de Negócios e Comércio Internacional, é gerente de Relações Institucionais do Grupo Fiorde | [email protected] | www.fiorde.com.br
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Parece claro que, apesar do cenário desolador que a pandemia de coronavírus (Covid-19) tem alastrado, com mais de 575 mil vítimas fatais no País, o mundo corporativo não será mais o mesmo quando esta crise for superada. Afinal, forçadas pelas circunstâncias, muitas empresas, privadas e públicas, foram levadas a descobrir as vantagens do teletrabalho, também chamado home office, que mostrou ser possível manter um funcionário ou prestador de serviço trabalhando a distância e produzindo tanto ou mais do que fazia no escritório. Com isso, evitam-se despesas com grandes instalações e com energia elétrica, água, internet e serviços de limpeza. E evita-se que o colaborador chegue ao trabalho atrasado, mal alimentado, cansado ou estressado, depois de enfrentar obstáculos como engarrafamentos.

Para as empresas ligadas ao comércio exterior, que já tiveram de se adaptar à informatização dos serviços da Receita Federal e outros órgãos governamentais, o distanciamento social provocado pela pandemia foi fundamental para solidificar mecanismos virtuais que já estavam em andamento, como a indústria 4.0, termo que, a partir da Feira de Hannover, em 2013, passou a definir uma espécie de “nova ordem mundial” para a competitividade nos negócios, com a utilização de tecnologias, métodos e sistemas modernos.

PUBLICIDADE

Com base nesse conceito, surgiu também a logística 4.0, que procura usar as tendências tecnológicas no supply chain, ou seja, nos diversos caminhos pelos quais passam os produtos, desde a retirada da matéria-prima até a entrega ao consumidor final. Com a pandemia, ficou mais evidente a necessidade que as empresas têm de investir em tecnologias capazes de aperfeiçoar seus processos de gestão, o que, no final das contas, acabará por torná-las mais eficientes e competitivas.

Basta ver como tem evoluído o e-commerce, ou seja, a comercialização de produtos e serviços pela internet, em função da necessidade de que as pessoas evitem sair de casa e entrem em aglomerações em supermercados e feiras. Por tudo isso, a logística teve de ser reinventada, o que exigiu mais investimentos em tecnologia, pois as transações precisam ser feitas por meio de dispositivos eletrônicos, como computadores e smartphones

Em outras palavras: a troca de informações de pedidos, ocorrências de transporte e situação dos fretes por e-mail ou o lançamento manual de informações em sistemas, a cada dia, tornaram-se práticas ultrapassadas. Hoje, uma transportadora de ponta já utiliza a inteligência artificial, machine learning e automatização para inúmeros processos. Afinal, essas inovações trazem muitos ganhos para as empresas, que podem alocar seus talentos em funções estratégicas, deixando as operações a cargo de máquinas. Como se sabe, a tecnologia reduz sobremaneira a taxa de erros e aumenta a velocidade das tarefas, além de reduzir custos.

Portanto, a saída está em investir em tecnologias como a Electronic Data Interchange (EDI), o intercâmbio eletrônico de dados, e os webservices, que são capazes de integrar embarcadores, transportadoras, fornecedores e clientes. Afinal, as circunstâncias que advieram em função da pandemia mudaram o comportamento do consumidor, que, hoje, hiperconectado, reúne maiores informações sobre um produto e, dificilmente, é ludibriado por propagandas enganosas disfarçadas em entrevistas “espontâneas” que costumam circular nas redes sociais.

Hoje, o consumidor pode recorrer por meios eletrônicos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para saber se um produto é nocivo ou não e se a sua venda está autorizada. Ou ainda ao Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde, de São Paulo-SP, mais conhecido pela sigla Bireme de seu nome original Biblioteca Regional de Medicina, organismo especializado da Organização Pan-Americana de Saúde e da Organização Mundial de Saúde (OPAS/OMS). E, se estiver certo da eficácia do produto, pode recorrer a aplicativos para pagar boletos . Tudo num piscar de olho. Foi para atender a esse novo mundo que surgiu a logística 4.0.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!