COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política Reforma da Previdência MG

Secretários vão à ALMG defender a reforma da previdência

COMPARTILHE

Deputados e representantes do governo estadual discutiram o projeto do governo estadual ontem | Crédito: Guilherme Bergamini / ALMG

A necessidade de equilibrar as contas do Estado e a votação de uma reforma no meio de uma pandemia foram algumas das principais discussões que permearam o Seminário Virtual Reforma da Previdência de Minas Gerais. O evento teve início ontem e vai até a próxima quinta-feira (16).

As reuniões acontecem após muitos deputados reivindicarem a relevância de discutir o tema com os servidores antes da votação final. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55/20 e o Projeto de Lei Complementar (PLC) 46/20, enviados pelo governador Romeu Zema (Novo) tramitam na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e vêm sendo alvo de debates recorrentes.

PUBLICIDADE

Entre as transformações previstas na reforma está a questão das alíquotas de contribuição dos servidores, que passará de 11% para algo entre 13% e 19%, conforme os salários de cada um.

Secretário de Estado do Governo, Igor Eto ressaltou que é importante uma previdência mais moderna e mais justa. Para ele, o que se tem atualmente é “um modelo defasado, que não dialoga com a realidade do Estado”. Já as mudanças, disse, têm como objetivo dar sustentabilidade ao sistema.

Eto afirmou que o que se busca é o equilíbrio das contas, pagamento em dia dos servidores, viabilização de investimentos que precisam ser feitos em prol dos mineiros e redução do déficit previdenciário.

Por outro lado, afirmou, caso não haja a reforma, as próximas gerações sofrerão as consequências econômicas e sociais. O secretário de Estado do Governo citou entre os resultados futuros o desequilíbrio das contas, perda de capacidade de investimentos em saúde, educação e infraestrutura, falta de atração de investidores, entre outros.

“É preciso adequar as regras à nova realidade de vida”, destacou ele, lembrando que esse movimento não é algo exclusivo de Minas Gerais, mas uma tendência mundial. Eto frisou que as pessoas estão vivendo mais e com mais saúde.

Secretário de Planejamento e Gestão, Otto Levy afirmou que os déficits já vêm se fazendo presentes desde 2014, sendo que em 2015 o cenário se agravou. “A situação financeira do Estado é dramática”, falou ele, frisando, ainda, que o déficit previdenciário é o problema de maior dimensão que ainda não foi enfrentado.

Levy apresentou dados que mostram que entre os anos de 2013 e 2019, enquanto a despesa de pessoal subiu 79,2%, as receitas aumentaram 40,3%. Para ele, independentemente de se gostar da verdade, ela é “incontornável”.

O secretário de Planejamento e Gestão também ressaltou que o Estado tem atuado em outras frentes para equilibrar as suas contas. “Estamos adotando ações de redução de gasto de pessoal ativo. Como já mostrei, em 2019, o gasto de pessoal ativo caiu 3%, algo que não foi visto nos últimos dez anos neste Estado. Também estão sendo tomadas medidas para aumento da receita”.

Posição dos parlamentares – Deputados também utilizaram o momento para se posicionar sobre o assunto. O deputado Carlos Pimenta (PDT) destacou a relevância de uma reforma justa.

Para ele, é preciso respeitar os direitos adquiridos, já que os servidores, quando iniciaram no Estado, estavam sob determinadas regras e, de acordo com o deputado, elas não podem ser modificadas apenas pelo quadro dramático atual.

A deputada Celise Laviola (MDB) frisou a importância de se ter responsabilidade com a reforma e a relevância do diálogo. “O diálogo é o caminho para buscar a solução”, afirmou ela. Para a deputada, não se pode ficar sem a reforma, ela precisa acontecer, mas é preciso tentar melhorá-la.

O deputado Virgílio Guimarães (PT) também pontuou que a mudança do sistema é inevitável, mas que é preciso haver uma transição cuidadosa. A deputada Laura Serrano (Novo), por sua vez, frisou o aumento da expectativa de vida e que a reforma da previdência é necessária para dar sustentabilidade. “A maioria dos estados já aprovou”, disse.

Por outro lado, o fato de a votação estar acontecendo em meio à pandemia do Covid-19 foi exposto por alguns parlamentares, que têm demonstrado incômodo nesse sentido.

O deputado André Quintão (PT) frisou que o assunto é complexo e que as energias, neste momento, deveriam estar focadas na pandemia. O deputado Sargento Rodrigues (PTB) afirmou que o seminário virtual, que ocorre assim por causa das medidas de distanciamento social, não substitui a efetiva participação popular.

A deputada Beatriz Cerqueira (PT) também acredita que a reforma poderia esperar e defende que o governo precisa conversar com os servidores. O deputado Professor Cleiton (PSB) disse que é importante a participação efetiva daqueles que serão atingidos pela reforma e que eles possam olhar nos olhos dos representantes do governo do Estado.

O deputado Gustavo Valadares (PSDB), por sua vez, lembrou que a pandemia era algo imprevisível. Para ele, os projetos não estão andando a toque de caixa.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!