CREDITO: CHARLES SILVA DUARTE/Arquivo dc

A nova linha de crédito imobiliário corrigida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mais uma taxa de juros prefixada, a ser lançada pela Caixa Econômica Federal, promete novo fôlego à construção civil no País. A avaliação é de entidades e empresários do setor, que amargou sucessivos resultados negativos nos últimos anos.

O próprio presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou a nova linha, na última semana, sem dar maiores detalhes sobre o público-alvo ou os valores dos imóveis que a serem financiados. Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do banco disse não ter outras informações.

À imprensa, Guimarães disse que o uso do IPCA como referência vai ampliar as chances do banco de securitizar as carteiras, permitindo que o banco consiga obter recursos no mercado financeiro. Com essa mudança, ele espera gerar uma carteira de crédito imobiliário de R$ 10 bilhões, com 46 mil imóveis que beneficiariam até 400 mil pessoas.

Representantes do setor em Minas Gerais comemoraram o anúncio. O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), Geraldo Jardim Linhares, por exemplo, que embora as informações ainda sejam superficiais, a notícia chega em um bom momento e poderá ajudar na recuperação do setor.

“Tudo o que é novidade em termos de funding e incentivo de novos lançamentos para o setor é importante. E esta nova modalidade de crédito implica na possibilidade de uma maior confiança por parte dos investidores, sejam eles nacionais ou internacionais, pois indica que o governo está concedendo crédito e que o setor terá fôlego para crescer”, resumiu.

Os impactos da correção pelo IPCA, conforme Linhares, ainda precisam ser melhores avaliados. É que, segundo ele, se num primeiro momento animam o consumidor por ser um índice de fácil acesso e informação, por outro, é passível de grande oscilação em longos prazos. No entanto, o dirigente ponderou que, ainda assim, a confiança que a modalidade poderá gerar prevalece como ponto forte do anúncio.

Expectativas – Da mesma maneira, o CEO e chairman da MRV Engenharia, Rubens Menin, um dos homenageados pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), no Dia da Indústria, ao comemorar o recebimento da medalha de Mérito Industrial, concedida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), falou sobre as expectativas do setor para o restante do ano e citou a criação da nova linha.

Segundo ele, 2019 ainda não será um ano de bons números para o setor da construção, mas de início da retomada.

“Não teremos um crescimento ainda muito grande, mas é um crescimento que vai começar a acontecer. E com medidas como as reformas estruturantes e outras mais específicas para o setor, poderemos ter algum crescimento”, disse.

Sobre a linha, o empresário defendeu que o setor precisa de outros fundings e que o mais recentemente anunciado poderá trazer novo fôlego para a atividade.

“Os perfis de baixa e média rendas ainda possuem espaço para crescer e precisam ser atendidos. O anúncio desta nova linha traz boas expectativas”, comentou.